terça-feira, 20 de outubro de 2015

RIO EM GUERRA - ROBERTO SANTA ROSA - PM - HERÓI



Recolhi o texto no Facebook e ponho-o aqui em homenagem ao valoroso PM Roberto Santa Rosa, certo de que, se a briosa perdeu um herói dentre muitos outros do seu serviço ativo, decerto ganhou um escritor sensível e seguro do que escreve. Espero que ele desenvolva esta sua excelente verve literária, como se pode concluir do seu magnífico texto. Só lhe posso prestar minha humilde continência de ex-comandante do 9º Batalhão em máxima demonstração de respeito.



"Esse texto é do PM que teve a perna amputada semana passada ao levar um tiro de fuzil na área do 9° BPM." (palavras do companheiro que postou o texto)





COMBATI O BOM COMBATE, TERMINEI A CARREIRA E GUARDEI A FÉ.

Em dez minutos, o dia 08 de outubro seria uma quinta-feira como outra qualquer, eu entregaria minha espada, meu escudo e meu cavalo e partiria para casa com uma sacola cheia de afazeres, exaustão e algumas moedas limpas.

Mas, enquanto insistentemente tentamos encapsular o tempo em porções mínimas, a vida corre em micro flash incontáveis e absolutamente distintos do tempo. Vida e tempo não são a mesma coisa! E aqueles dez minutos provariam minha tese.

um carro desgovernado, cheio de vagabundos armados colide ao lado da minha viatura. Eles desembarcam. Nós também. Eles, com poderio bélico e superioridade numérica a seu favor. Nós tínhamos o Manto da Justiça e a Providência Divina. Então, o que temer?! Éramos apenas dois, porém, como olhar de volta na face dos filhos se fugisse à luta? Como "mostrar-se um forte" se debandasse do conflito

Porra nenhuma! saquem suas armas! Alvos à frente e fogo à vontade! 3,2,1 e...

Um violento confronto, o cheiro de pó, de pólvora, de sangue, valentia e pavor, dominou aquele campo de batalha de apenas quinze metros, tão pequeno que se podia sentir o bafo dos urros e ouvir os sonoros pensamentos do medo horrendo. Minuto e meio de projéteis cruzando raivosos em direções contrárias, carregados de um ódio injustificável e de pesares inimagináveis. Dois corpos sucumbem do lado de lá, até aquela bala de fuzil subdividir toda minha estrutura óssea da perna direita e me jogar mortalmente ferido ao chão. E quando me vi vulnerável a disparos cegados pelas asas do meu anjo da guarda, surgiu a torre inabalável, ao lado do meu corpo moribundo, forte tal qual as famosas muralhas que, com a ferocidade necessária, repeliu aquele que se levantou como meu algoz.

O estrondo parou! Restou um silêncio funesto de angústia e desespero. E o cheiro do meu sangue que teimosamente esvaia da femoral como as correntes de um rio selvagem. E o anjo da morte foi tão gentilmente recebido, que não teve o ímpeto costumeiro, antes, acalentou-me como uma mãe ao seu bebê. E eu o acariciei o rosto. Era belo e calmo. Era manso e confortador. Amasiamo-nos!

No entanto, no momento do tiro, bem antes de desistir, bem antes da visita do belo anjo, eu invocara O Senhor. Eu apelara para Sua Misericórdia e O Implorei para que me deixasse por mais tempo aqui. E Ele me tinha ouvido. E Ele é comigo. E Ele me salvou!

E o anjo da morte via eu me afastar lentamente, ungido e conduzido pelas Mãos de Deus. Olhava-me com compaixão e uma ponta de sorriso que talvez sugerisse um próximo encontro. Eu sorri de volta. Gostei mesmo dele. Mas o pedi que esperasse. Que deixasse acontecer. Ele sorriu consentindo. Então, lhe ofertei algo muito valioso para mim, o flanco direito da base do meu castelo, como cortesia, por aquele encontro tão nobre e tão reverencioso.

E assim ainda estou aqui.

E assim venci aquela batalha.

E foi assim...

Roberto Santa Rosa

2 comentários:

CHRISTINA ANTUNES FREITAS disse...

Que o bravo Policial possa seguir a vida, e que ela seja muito boa para ele, apesar do infortúnio! Abraço fraterno!

magno zanatta disse...

Deus é Sempre Fiel e compromissado com os que se volta para ele, independente do momento mas o simples fato de colocar DEUS naquele momento como único e possível Salvador fez com que fosse movidos exércitos celestiais para que como em um ''código 800'', fossem ao encontro do Grande Irmão e todo o aparato tanto de contenção e também os primeiros socorros ali prestados pelo Exército Celestial que sempre estará aposto, basta que Clamemos do fundo da nossa Alma para que os Mesmo Cumprindo a Ordem do Grande General Supremo DEUS,se faça presente ...

Abraço Forte e continue Firme na ROCHA.