quinta-feira, 31 de maio de 2012


IDEALISMO NA LUTA POR DIREITOS

NOTA DE REPÚDIO


A Associação dos Oficiais Militares Estaduais do Rio de Janeiro – AME/RJ, entidade de classe representativa de Policiais e Bombeiros Militares do Estado, no sentido de assegurar a preservação do patrimônio da Policia Militar, vem através do presente manifestar profundo e absoluto REPÚDIO à venda do Quartel General da PMERJ promovida pelo Governador, cuja intenção do negócio, segundo notoriamente anunciado pelo referido Governante, é acabar com o conceito de aquartelamento na corporação.
O próprio onde está sediado o Quartel General da PMERJ alberga valores imateriais incomensuráveis, de expressão histórica relevante não só para a cidade e o Estado do Rio de Janeiro, mas para a formação do Brasil. A importância estratégica do Quartel General é inquestionável e sua localização propicia o eficiente e versátil desdobramento e a rápida articulação de unidades policiais e tropas para qualquer parte da cidade, possibilitando uma prestação de serviço efetiva e célere.
O negócio imobiliário promovido pelo Governador retira da PMERJ o seu bem maior, a sua casa, um imóvel que se insere num contexto arquitetônico que traduz parte da história do Brasil. Com essa venda, vence a ganância do poder público, a especulação imobiliária, o descaso com a história, e a passividade da população que não dá valor ao que lhe pertence. Por sua vez, perde-se mais de duzentos anos de história, a dignidade do policial militar, a honra dos que poderiam ter evitado tal tragédia, e nossos descendentes que sequer poderão contemplar uma caserna que abrigou grandes e ilustres militares brasileiros, heróis de nossa pátria.
Por conta de tudo isso e, sobretudo, em razão de tudo que simboliza e significa o imóvel do Quartel-General para a PMERJ e para a cidade do Rio de Janeiro, a AME/RJ REPUDIA veementemente a venda do Quartel General da PMERJ.

À Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro, a associação reitera irrestrito apoio e solidariedade.



Rio de Janeiro, 22 de maio de 2012




CARLOS FERNANDO FERREIRA BELO
PRESIDENTE


5 comentários:

Anônimo disse...

ESPARTA VIVE
300

Como pode?

1. R.ou Rô Rô ter a coragem de pregar a venda do QG, carregando nas costas todo peso de seu Kit zoológico,

2.O sempre CLAUDIcante aprendiz de filósofo(estuda mas seus dois neuronios não conseguem apreender siquer os conceitos básicos) pregar a venda do QG, carregando também todo o peso de seu Kit Catanduva,

Cada vez mais pecebo que essas pessoas,além das deficiencia de caráter estão também no campo do desequilíbrio mental, pois no mínimo, perderam a NOÇÃO DO PERIGO que os ronda.

ANIBAL aquele que ora aos Deuses por justiça contra os venais comerciantes institucionais

Emir Larangeira disse...

Parece que a venda do QG não se efetivará tão facilmente assim. Porque não há lógica no ato anunciado e a mídia desperta para essa tresloucada aventura imobiliária do prefeito da cidade e do seu amigo governante estadual, fundada apenas em intragáveis ilações. E me indago: "E se quando começarem as escavações os espertos derem com um sítio arqueológico a ser desvelado com pincéis e espátulas?" Hehehe... Que castigo, hein?...

Papo De Bombeiro disse...

Parece que a venda do QCG da PMERJ não atinge tanto o PM. O Cel Mario Sérgio disse na Rádio Globo que é a favor, que o prédio não é mais histórico por conta das modificações, que e desconfortável, que não atende a PMERJ etc... A história para esse Sr. para o excelentíssimo ex Comandante da PMERJ infelizmente parece com essa declarações só conta pelo conjunto arquitetônico o resto e resto. Devemos respeitar as opiniões mais assim já é demais.

Emir Larangeira disse...

É direito dele ter essa opinião e nosso de veementemente discordar dele. Claro que, se a venda do QG fosse para destinar todo o valor arrecadado na construção de um novo Hospital Central para os PMs e familiares, eu até concordaria. A questão é a destinação do dinheiro, que, pelo anunciado (construir novas instalações no regimento Caetano de Farias, deformando-o em sua originalidade, para acolher o que há no QG), será como trocar meia dúzia por seis. Também informatizar o Hospital Central com parte do dinheiro arrecadado é o mesmo que pôr um colar de pérolas num porco.

Anônimo disse...

Esparta vive
300
Caro Papo de Bombeiro,

Fácil responder seu questionamento:

1.Este senhor a quem voce se referiu é o mesmo que urinou e defecou sobre seu QG, há pouco tempo atras,

2. Este senhor é aquele a quem eu me referi como aprendiz de filosofo em meu comentario anterior.

Portanto acredito estar respondidada a sua pergunta.

Respeitosamente, Anibal