terça-feira, 14 de setembro de 2010

Papo de bar de Zará e Zorô


- Quem nasceu primeru, Zará, eu ou ocê?
- Fui eu, Zorô. Num intendi a progunta...
- É purque o pai sempri deu mais castanha ni mim, alembra?
- Alembro, Zorô. Eli dizia qui ocê veio adispois e instragô a parti da mãe qui eli mais gostava...
- Hum... Mas ocê nasceu junto...
- Mas meu boné é 57 i u seu é 60 de dimetru...
- Num é dimetru, seu burru, é diântromu...
- Adisculpa, Zorô. Mas, já qui ocê falô ni cabeção, alembra do Raimundão?...
- Alembro, Zará. Intrô na briosa cum a genti. Eli sim, qui tinha um cabeção... Era 65 de dimetro...
- Ô burro, já num falei qui é diântromu!
- Tá certu, Zará. Mas sabia qui Raimundão espichô as canela?...
- Num diga, Zorô. Morreu di quê?
- Morreu cum a cara numa poça di água...
- Afogadu numa poça di água? Comu, Zorô. Aondi foi?
- Lá na rua deli, di madrugada. Acharum eli di manhã cedinhu. Mas eli num morreu afogadu, não. Morreu di cirrosi antipática. Tava cachaçado inté u gogó e morreu di pé. Adispois caiu cum a cara na poça.
- Morreu bunitu, hem Zorô. Tô imaginandu u caixão deli, cum aqueli cabeção...
- Cabiçudo dimais, Zará. Eli sim, qui ganhava castanha du pai deli todu dia...
- Deixa pra lá, Deus u tenha e qui a alma deli tome muntas pingas lá nu céu!
- É mermo. Ocê leu o blogui do chefe Laranjera falandu de autu di resistença?
- Li, Zorô. Mas num intendi nadinha. Eli falô qui a história é convincenti. Qui será isso?
- Eu achu qui eli quis dizê qui inscreveu cum Vicenti. Devi di sê algum amigu deli...
- É, devi di sê... Mas, Zorô, alembra du pobremão do Raimundão cum aqueli autu di resistença?
- Alembru, sim. Eli entrô na favelis cum a macaca na mão e ouviu um “clic”. Quandu olhô pra trás, tava o bandidu cum um revórve apontadu pras costa deli. Tinha acabadu di atirá e u tiru falhô. O cara ia dá otru tiru, mas Raimundão, nu sustu, deu uma rajada di macaca nu manlandru.
- É mermo. U manlandru morreu iguá penera... Inda bem qui Raimudão contô tudinhu direitim pru delegadu i u delegadu mandô pra periça confilmá.
- Confilmô. Inda bem qui u Raimundão num tirô a chumbada du revórve. Tinha uma ispoleta cum marca. Sinão, tava fudidu...
- Veldadi. U promotô achô qui eli deu tiru dimais nu bandidu. Nu jugamentu, u promotô começô arrebentandu cum eli. Proguntô purqui eli deu tiru dimais di macaca i falô um monti di frasis difícis.
- Um advogadu deli defendeu eli bem, mas foi a reposta deli qui safô a onça, alembra?
- Alembru! Eli dissi qui prifiria tá ali nu tribuná sendu julgadu por seti du qui tê sido carregadu pur seis, mortinhu da silva, si u bandidu apeltasse u gatilhu di novu.
- Foi mermu. Dissi tomem qui num sabi dá um tiru só di macaca. Sai um monti di chumbu quandu apelta u gatilhu.
- É... Foi uma galgalhada só nu tribuná. Inté u homi da capa preta e u promotô riu e adispois mandô absorvê eli. Foi absorvidu pur seti a zeru..
- E veldadi, irmão! Eta prufissão danada di difícis!... Mas Deus sabi u qui faz. O Raimundão cabiçudo tinha di morrê di cachaça, qui foi mericidu. Alembra a tenenti qui mediu eli i levô um sustu com o cabeção deli? Era mais diântromu qui a cinturim dela...
- Olha u respeitu, irmão!
- Num tô disrespeitandu u difuntu, não. Eli era meu amigão!...
- Mas tá disrespeitandu a tenenti... Inda bem qui ninguém ouviu issu...

2 comentários:

O Estado Menor disse...

Boa tarde. Se possível, acrescente o nosso blog [www.oestadomenor.blogspot.com ou simplesmente www.estadomenor.com] à sua relação. Desde já, agradecemos.

Emir Larangeira disse...

Já acrescentei com prazer e em destaque no meu blog. Conte comigo! Abs. aos companheiros!