terça-feira, 3 de março de 2009

Artigo do Dr. Rogério Brandão

DEFINIÇÃO SINGULAR DE SAUDADE

Muitas vezes um escritor busca inspiração em todos os cantos da alma para tentar emocionar seus leitores e não consegue. Por mais que engendre palavras, nada lhe aflora a emocionar nem a si mesmo. São momentos de frustração. No meu caso, que escrevo sem a pretensão de ser tarimbado, desisto no percurso de alguma história a estacar derrotada dentro de mim. Vou então buscar emoção em texto alheio... E sempre encontro algum escrito de pessoas que não militam amiúde na literatura; pessoas especiais, que, em virtude da profissão, deparam com o infortúnio de crianças e transmitem a todos uma emoção peculiar, única, surpreendente.
Curioso é que, à primeira vista, pensamos em pessoas frias e calculistas porque profissionalmente se obrigam a lidar com a morte do outro; mas, de repente, demonstram sensibilidade incomum, diferentemente de nós, que não lidamos com tamanho sofrimento no nosso cotidiano funcional e pessoal. No caso desses entes especiais, não se trata de talento nem tarimba, mas de inspiração metafísica. São seres humanos iluminados por outra luz: são Anjos Mensageiros.
Bem, muitas vezes recebemos e-mail de amigos e a urgência do tempo nos faz apagá-los. Mas quando se trata de pessoa criteriosa, geralmente nos esforçamos e acessamos o texto. Neste caso, como já confessei, emocionei-me com a maravilhosa mensagem que transcrevo na íntegra, esperando que os leitores do Jornal Maricá em Foco igualmente se emocionem:




Artigo do Dr. Rogério Brandão
Médico oncologista clínico
RC Recife Boa Vista D4500
Cremepe nº 5758

Saudade é o amor que fica



Médico cancerologista já calejado com longos 29 anos de atuação profissional, com toda vivência e experiência que o exercício da medicina nos traz, posso afirmar que cresci e me modifiquei com os dramas vivenciados pelos meus pacientes.
Dizem que a dor é quem ensina a gemer.
Não conhecemos nossa verdadeira dimensão, até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.
Descobrimos uma força mágica que nos ergue, nos anima, e, não raro, nos descobrimos confortando aqueles que vieram para nos confortar.
Um dia, um anjo passou por mim...
No início da minha vida profissional, senti-me atraído em tratar crianças, me entusiasmei com a oncologia infantil. Tinha, e tenho ainda hoje, um carinho muito grande por crianças. Elas nos enternecem e nos surpreendem como suas maneiras simples e diretas de ver o mundo, sem meias verdades.
Nós médicos somos treinados para nos sentirmos "deuses". Só que não o somos! Não acho o sentimento de onipotência de todo ruim, se bem dosado. É este sentimento que nos impulsiona, que nos ajuda a vencer desafios, a se rebelar contra a morte e a tentar ir sempre mais além. Se mal dosado, porém, este sentimento será de arrogância e prepotência, o que não é bom. Quando perdemos um paciente, voltamos à planície, experimentamos o fracasso e os limites que a ciência nos impõe e entendemos que não somos deuses. Somos forçados a reconhecer nossos limites!
Recordo-me com emoção do Hospital do Câncer de Pernambuco, onde dei meus primeiros passos como profissional. Nesse hospital, comecei a freqüentar a enfermaria infantil, e a me apaixonar pela oncopediatria. Mas também comecei a vivenciar os dramas dos meus pacientes, particularmente os das crianças, que via como vítimas inocentes desta terrível doença que é o câncer.
Com o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento destas crianças. Até o dia em que um anjo passou por mim.
Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada porém por 2 longos anos de tratamentos os mais diversos, hospitais, exames, manipulações, injeções, e todos os desconfortos trazidos pelos programas de quimioterapias e radioterapia.
Mas nunca vi meu anjo fraquejar. Já a vi chorar sim, muitas vezes, mas não via fraqueza em seu choro. Via medo em seus olhinhos algumas vezes, e isto é humano! Mas via confiança e determinação. Ela entregava o bracinho à enfermeira, e com uma lágrima nos olhos dizia: faça tia, é preciso para eu ficar boa.
Um dia, cheguei ao hospital de manhã cedinho e encontrei meu anjo sozinho no quarto. Perguntei pela mãe. E comecei a ouvir uma resposta que ainda hoje não consigo contar sem vivenciar profunda emoção.
Meu anjo respondeu:
– Tio, disse-me ela, às vezes minha mãe sai do quarto para chorar escondido nos corredores. Quando eu morrer, acho que ela vai ficar com muita saudade de mim. Mas eu não tenho medo de morrer, tio. Eu não nasci para esta vida!
Pensando no que a morte representava para crianças, que assistem seus heróis morrerem e ressuscitarem nos seriados e filmes, indaguei:
– E o que morte representa para você, minha querida?
– Olha tio, quando agente é pequena, às vezes, vamos dormir na cama do nosso pai e no outro dia acordamos no nosso quarto, em nossa própria cama não é?
(Lembrei minhas filhas, na época crianças de 6 e 2 anos, costumavam dormir no meu
quarto e após dormirem eu procedia exatamente assim.)
– É isso mesmo, e então?
– Vou explicar o que acontece, continuou ela: Quando nós dormimos, nosso pai vem e nos leva nos braços para o nosso quarto, para nossa cama, não é?
– É isso mesmo querida, você é muito esperta!
– Olha tio, eu não nasci para esta vida! Um dia eu vou dormir e o meu Pai vem me buscar. Vou acordar na casa Dele, na minha vida verdadeira!
Fiquei "entupigaitado". Boquiaberto, não sabia o que dizer. Chocado com o pensamento deste anjinho, com a maturidade que o sofrimento acelerou, com a visão e grande espiritualidade desta criança, fiquei parado, sem ação.
– E minha mãe vai ficar com muitas saudades minha, emendou ela.
Emocionado, travado na garganta, contendo uma lágrima e um soluço, perguntei ao meu anjo: - E o que saudade significa para você, minha querida?
– Não sabe não tio? Saudade é o amor que fica!
Hoje, aos 53 anos de idade, desafio qualquer um dar uma definição melhor, mais direta e mais simples para a palavra saudade: é o amor que fica!
Um anjo passou por mim...
Foi enviado para me dizer que existe muito mais entre o céu e a terra, do que nos permitimos enxergar. Que geralmente, absolutilizamos tudo que é relativo (carros novos, casas, roupas de grife, jóias) enquanto relativizamos a única coisa absoluta que temos, nossa transcendência.
Meu anjinho já se foi, há longos anos. Mas me deixou uma grande lição, vindo de alguém que jamais pensei, por ser criança e portadora de grave doença, e a quem nunca mais esqueci. Deixou uma lição que ajudou a melhorar a minha vida, a tentar ser mais humano e carinhoso com meus doentes, a repensar meus valores.
Hoje, quando a noite chega e o céu está limpo, vejo uma linda estrela a quem chamo "meu anjo”, que brilha e resplandece no céu. Imagino ser ela, fulgurante em sua nova e eterna casa.

Obrigado anjinho, pela vida bonita que teve, pelas lições que ensinastes, pela ajuda que me destes.
Que bom que existe saudades! O amor que ficou é eterno.


Rogério Brandão

20 comentários:

Anônimo disse...

Recebi um email de um amigo e li o texto do Dr. Rogério. Não preciso falar que fiquei emocionado e nem dizer que por mais bela que seja a lição, uma dor profunda nos toca. Gostaria de publicar este texto no jornal Folha Buritis, o qual sou responsável e que pertence a Associação de Moradores do Bairro Buritis, Belo Horizonte, Minas Gerais ( www.abb-buritis.org.br ). Gostaria de publicar este texto, bem como a foto de seu autor, calor se assim ele autorizar.
Faça uma visita em nosso site e vocês poderão ter informações de quão sério somos.

No mais, agradeço.

Atenciosamente,

Paulo Gomide

Anônimo disse...

Recebi um e-mail com esse texto de uma prima... e antes ela dizia que eu iria me lembrar do meu irmão, que tbem morreu de cancer e que nesse período mostrou a todos nós, quão forte era e que deveriamos aproveitar mais a vida. E não é só o Dr. Rogério que tem o seu anjo da guarda, eu tbem tenho o meu.

Abraço a todos

Fabiana Callado

Ivone disse...

Saudade é o amor que fica!
Fiquei emocionada com o artigo e, principalmente, com a sensibilidade do dr. Brandão. Infelizmente, hoje dificilmente nos deparamos com médicos sensíveis, que enxergue o paciente como verdadeiro SER HUMANO, digno de respeito e dignidade. A medicina carece de humanismo!
Ivone Silva
Jornalista

Natã da Costa Duarte disse...

EU FIZ UM POWER POINT DA SAUDADE AMOR QUE FICA ACHEI FANTASTICO....

NATÃ DUARTE - SANTA HELENA
WWW.ANTENADOSH.BLOGSPOT.COM

Anônimo disse...

É um dos fatos mais bonitos que me fez chorar. Tanto que fui procurar se era verídico.
Parabéns ao Dr. Brandão pela esperiência vivida, pelo amor aos seus pacientes que hoje sabemos o quanto isso é dificil, e tbm pela resposta : o q é saudade ? aqui está!
Todos seres humanos deveriam passar por experiências como essa para valorizar a vida.

naná disse...

Como é lindo ver um ser humano de alma...sou muito sensivel ,pois o histórico da minha família é cancerigena...Parabéns Dr .Rogério !!!dar amor só quem tem podar ..Que DEUS o abençoe todos os minutos na sua ronda hospitalar e passar esse afago gostoso ,muito lindo de sentir a sua narrativa ..muito vivo seus sentimentos ..Parabéns e muito amor em seu coração sempre (Eu Lenah,60 anos e vó de 6 netos )

Anônimo disse...

Emocionante e confortador, tenho muita tristeza ao ver e/ou saber do sofrimento alheio, e me é muito difícil aceitar o sofrimento de crianças, mas acredito em anjos...Obrigada por este artigo dr Renato. Que os Anjos lhe iluminem !
Marta

Anônimo disse...

Achei lindo esse texto de Dr. Rogério, recebi por e-mail e fiquei bastante emocionada, e quem não fica, não é mesmo? Ele é um excelente profissional, sei disso que meu pai era paciente dele, muito humano por sinal, um coração enorme. Ele apelidou meu pai de Bombinha, um apelido que combinou muito por sinal, não Dr. Rogério....kkkk......Parabéns pelas lindas palavras, e obrigado por tudo que fez pelo meu pai.

Gisele

Anônimo disse...

Recebi por e-mail essa história, é incrivel como Deus coloca em nossas vidas esses lindos anjos que com total certeza vem para fazer a diferença, para nos fazer pensar sobre nossas vidas e atitudes. Ainda hoje quando leio essa história me emociono e a frase "Saudade é o amor que fica" faz parte da minha vida.

Jr. Moura Salvador/Ba disse...

O nível de consciência deste “anjo” que é necessário a todos os homens, assim teríamos chance de vencer o egoísmo, a intolerância, o capitalismo voraz. Essa mensagem (o artigo) é simplesmente maravilhosa. Parabéns Dr. Rogério Brandão... agora tens um fã aqui na Bahia!

Jr.Moura.:

Guilherme Fraenkel disse...

Nossas religiões falam tanto na necessidade de crença em uma potência superior que rege nossas vidas com bondade e justiça e mesmo assim temos dificuldade em lidar com esta realidade.
A forma simples com que esta confiança se manifestou no acontecimento é simplesmente linda. Digna do pensamento simples e objetivo das crianças e das pessoas livres de pré-conceitos!

Anônimo disse...

Anònima: Fiquei muito emocionada ao ler o e-mail falando deste episódio maravilhoso na sua vida .E fico feliz também em acreditar que ainda há profissionais da saúde como vocë`humanos^. Que não esquecem que além de pacientes, são pessoas. E que num simples gesto estes profissionais podem transmitir um pouco mais de amor!

Jaqueline S. Lahass Ohnesorge disse...

Dr. Rogério, recebi por e-mail este relato, e isso já há alguns meses, hoje, 01/11/2010, revendo minha caixa o li novamente e fui tomada por tamanha emoção que resolvi expressar algo sobre isso.
Na verdade, gostaria de lhe agradecer por ter vivido tal experiência e tê-la compartilhado conosco.
Dentre tantas coisas que poderia ou até gostaria de dizer, vou registrar aqui que nossa mente limitada nos impede de definirmos tantas coisas em nossas vidas, como esta por exemplo: "Definir saudade". Realmente nos permitimos ser tomados por valores, os quais julgamos tão mais importantes e deixamos para trás coisas tão simples, porém, valores com capacidade de mudar nossa vida, nosso jeito de pensar, nossas pretensões, que por sinal normalmente egoístas demais.
Mais uma vez, vou encerrar este comentário lhe agradecendo por ter tido sensibilidade de ouvir esta criança e repassar para nós "leitores". EU NUNCA VOU ESQUECER ESTA DEFINIÇÃO DE SAUDADE !
Jaqueline S. Lahass Ohnesorge
Santa Maria de Jetibá/ES

Simone Senna disse...

É com muita comoção que li o texto do Dr. Rogério Brandão, que recebi de um grande amigo e realmente nos faz "enxergar" a vida com outros olhos. Aprender com uma criança de apenas 11 aninhos essa lição, o sentido real da palavra saudade: o amor que fica. Poderíamos ter toda experiência do mundo, que jamais daríamos sentido à essa palavra, com tanta perfeiçao.

Aqui fica o agradecimento ao Dr. Rogério por ser este homem e espírito grandioso que está trabalhando aqui na terra e deixando esta lição não só como médico, mas também como um ser iluminado e enviado por Deus em compartilhar conosco sua experiência e também modificar internamente milhões de vidas

Um grande abraço

Simone Senna - Vila Valqueire - RJ 25/02/2011

Luana Oliveira disse...

Olá Dr. Rogério,

sabe em minhas singelas buscas sobre experiência com oncologia, me deparei com a sua experiência, realmente sem igual. Ao ler isso penso em cada rostinho que passo pelos corredores do hospital no qual trabalho todos os dias. Eu pensava que era anormal o meu comportamento de visita aos quartinhos deles para saber de verdade como se encontram, do que precisam além de todos os farmacos que lhe são administrados, eu achava que eu era muito lenta nestas visitas, pq todas as outras enfermeiras retornam ao posto de enfermagem em poucos minutos. Mas devo lhe confessar, eu não consigo, eu me sinto responsável em retirar todas as novas informações destas crianças e muito mais que isso, me sinto frustrada qdo não consigo lhe retirar um sorriso.
Formo em junho no curso superior de enfermagem, pretendo me dedicar a esses pequeninos... vitimas dessa tão malvada doença, e gostaria Dr. caso o Sr. permitisse, de ter o seu e-mail pois quero muito me aprofundar nesta área e vejo que o Sr. tem anos de história e experiência para doar para os novos profissionais. Não quero ser mais uma que sai da universidade, quero fazer a diferença nestas vidas que tanto me sensibilizam e me movem.

Agradeço desde já,
Parabéns!

Luana Oliveira
e-mail: luana.vieira2009@hotmail.com

Anônimo disse...

Olá. Parabéns ao Dr. Brandão pela excelência do documento oferecido aos seres humanos, a todos nós neste antro de sofrimento. Sou um pai que passou por uma experiência assim, e o filho primogénito que partiu com 12 anos vítima de um tumor ósseo, foi MESTRE a ensinar como se deve sofrer:"em silêncio, que é o melhor forma de cantar um hino á vida"...
Para além da dor e da saudade que como a menina disse é AMOR, o amor impregnado nos corações de mãe e de pai sofridos, falta saber A RAZÃO FULCRAL da tão aparente e grande INJUSTIÇA, ___ um "inocente sofrer"! E através da sabedoria adquirida pelo desvendar desse SEGREDO, aprendermos a NÃO COMETER O ERRO que, por desventura gerou aquele "karma", aquela dor, aquele drama. Parabéns também ao Dr. brandão pelo engrandecimento do seu coração gerado pelo seu elevado grau de sensibilidade. Sejam felizes...
Jaime Ruela, algures em Portugal.

Anônimo disse...

Há exatamente um ano e 2 meses que perdi minha mãe conheci a definição de Saudade Que é o Amor que Fica, do Dr. Rogério Brandão antes deste momento na minha vida, mas desde a leitura pela primeira vez deste texto me emocionei muito, sempre que eu sentia tristeza corria e o lia e como me sentia calma, tranquila e muito bem. Depois do falecimento da minha mãe ele passou a fazer parte diaria da minha vida, tenho ele impresso na gaveta da mesa de trabalho na gaveta do meu criado mudo. E como me sinto acalentada por ele. Obrigada Dr. Rogério, sei hoje com certeza que A saudade é realmente o Amor que ficou pra sempre. Suely Machado -Barra Mansa-RJ

Anônimo disse...

Dr Rogério Brandão li com muita emoção a história de seu 'anjinho".
Fiquei bastante comovida e sensibilizada por sua postura...generosidade...isso vem provar que existem seres humanos sensiveis e com tamanha espiritualidade!!!Em minha vida também passou um Anjo,meu filho Danilo,que faleceu em 1989,acometido de uma LLA(Leucemia Linfática Aguda).
Puxa...como eu ficaria feliz se na época os médicos que trataram meu filho fossem como o Senhor...O parabenizo pela sua humanidade...poucos são os médicos que agem e tem esse tipo de postura...carinho...amizade...e amor ao seu paciente!!!Deus o abençoe!!!Abraços...Elaine De Paoli.

Janaína Barbosa Ramos disse...

Dr. Rogério, obrigada pela linda mensagem. Confesso que chorei muito, emocionada. Após repensei minhas palavras, meus julgamentos, minhas atitudes, talvez foi mais significativo porque tenho uma filha com 5 anos. Hoje penso que precisamos sobreviver a tanta desigualdades, mas ainda há tempo de transforar a vida, eu comecei minha transformação... Compartilhei com meus amigos seu artigo. Janaína Barbosa Ramos

Negócios em Casa disse...

Dr. Rogério, fiquei encantada com seu senso de humanidade, sensibilidade. Preciso falar com o senhor sobre algo que pode acrescentar à sua vida e fazer sua missão mais colorida ajudando as pessoas. Por favor entre em contato comigo: (11) 983588570 Whatsap ou porellis93@gmail.com. gratidão! Simone de São Paulo