sexta-feira, 5 de março de 2010

Sobre as UPPs e o ataque terrorista

Como afirma a nota em sublinha ("Opinião"), o ataque terrorista na Cidade de Deus foi efetivamente "sem mágica"; mas afirmar que se tratou de "afronta pontual" não minimiza o problema. Afinal, o ataque de Bin Laden às Torres Gêmeas de Nova Iorque também foi "pontual", tal como a "Rosa de Hiroshima"... Ambos foram não somente "pontuais" mas emblemáticos...
A reação dos bandidos não deve ser avaliada tão simploriamente, como se arrisca o Jornal O Globo. Isto é perigoso para o projeto das UPPs e talvez anime os facínoras a encetar outras ações nem tão "pontuais". Eles podem resolver trocar a agulha manual e o dedal do "ponto" por uma sofisticada máquina de costura e costurar vários "pontos" na tessitura social carioca, vestindo-a bem mais de sangue inocente.
A verdade é que o marginal, - longe de se equadrar na lógica academicista de que depende de simpatia das comunidades que domina, - o marginal prefere ser odiado, desde que temido. A "lei do silêncio" que o diga! E também não foi o primeiro exemplo de reação de marginais contra policiais. Muitas vezes ele ataca postos e viaturas oficiais em tocaia covarde e mata dezenas de policiais fardados. Enfim, ataca frontalmente o Estado que deveria temer. Claro que cada ataque é "pontual", mas o "ponto" se integra a uma costura mui bem urdida e objetiva estragar o vestido da festa vitoriosa do Estado.
Defender as UPPs, vá! Mas, como sugere o Jornal O Globo, "sem mágica". As UPPs, ressalvados os critérios de escolha dos lugares em que foram implantadas, são prova de competência da PMERJ (conquista - ou reconquista - e ocupação). Até aí morreu Inês, a PMERJ é capaz de conquistar, ocupar, reocupar e se retirar sem grandes dificuldades. A questão, como insisto em afirmar, é de critério técnico (ou político) de implantação das UPPs. Não discuto que a concentração delas na Zona Sul obedece a uma lógica operacional interessante: todas as favelas ocupadas não permitirão que bandidos migrem de um quarto para outro do mesmo apartamento sem mudar de endereço. No mínimo, terão de ocupar domicílios distantes. Tudo isso, porém, é experimental, não é "mágica". E as reações jamais serão "pontuais"... São, sim, e sempre, contextuais...

5 comentários:

Henrique disse...

A comunidade sabe quem são os autores do atentado, só não sei o por que da falta de informção certa sobre os autores.

Paulo Xavier disse...

Caro Henrique, a falta de informação se deve a dois fatores principais: O primeiro é o medo da represália dos bandidos, que certamente aconteceria,agravando ainda mais o problema e o segundo é a falta de confiança que esses moradores adquiriram em relação à PM no decorrer dos anos.
Agora é rezar pedindo a Deus para o pior não acontecer.

Rose Prado disse...

"Só nos resta
Em festa sanguinolenta
Sob a traidora rosa
O áspide esconder"

Alexandre Herculano

Paulo xavier disse...

Ouvi certa vez no rádio do meu carro e nunca mais esqueci, foi na década de 80, o saudoso Haroldo de Andrade, debatendo sobre a violência (problema antigo) disse o seguinte: A única forma aceitável da violência é a violência para se combater a violência.
Muito bem Rose, meus parabéns,certamente que a PM dará a resposta a esses caras. Creio que a áspide está escondida e pronta para o ataque, que se dará na hora certa.

neide disse...

E esperamos que essa resposta não venha a ser abafada ou impedida por certos indivíduos que se dizem defensores do povo np momento de eleição mas que nahora em que se faz necessária uma pronta resposta-defeza, se oculta se fingindo de desorientado...Como voce diz: policiais aptos para tal defesa nós temos, quanto ao governo....